As imagens inéditas do mundo maia 13 fotos

As imagens inéditas do mundo maia

Google Arts & Culture, em colaboração com o Museu Britânico e o Instituto Nacional de Antropologia e História do México, publicou as primeiras fotos profissionais de sítios arqueológicos no país

El Palenque, Templo de la Cruz. Ano da imagem: 18811894. De 1880 a 1891, o explorador inglês Alfred Maudslay fotografou em detalhes antigas cidades maias em Honduras, Guatemala e no sul do México.

El Palenque, Templo de la Cruz. Ano da imagem: 1881/1894. De 1880 a 1891, o explorador inglês Alfred Maudslay fotografou em detalhes antigas cidades maias em Honduras, Guatemala e no sul do México.

Quiriguá, Zoomorfo B. Um animal monolítico com um jovem de pé ao seu lado. Alfred Maudslay não descobriu nenhuma dessas cidades, outros já haviam feito isso antes - pelo menos em um sentido arqueológico -, mas ele foi o primeiro a fotografá-los com grande qualidade.

Quiriguá, Zoomorfo B. Um animal monolítico com um jovem de pé ao seu lado. Alfred Maudslay não descobriu nenhuma dessas cidades, outros já haviam feito isso antes – pelo menos em um sentido arqueológico -, mas ele foi o primeiro a fotografá-los com grande qualidadeUm grupo de mulheres em Copán, Honduras. As imagens mais antigas das ruínas de Palenque, Chichen Itza ou Yaxchilan, visitadas todos os anos por milhões de turistas, foram tiradas por Alfred Maudslay.

Um grupo de mulheres em Copán, Honduras. As imagens mais antigas das ruínas de Palenque, Chichen Itza ou Yaxchilan, visitadas todos os anos por milhões de turistas, foram tiradas por Alfred Maudslay.El Palenque. O ano em que foi tirada oscila entre 1881 e 1894. Alfred Maudslay também fez centenas de moldes de glifos e relevos. Ele enviou navios cheios de gesso, placas de vidro e barris com produtos químicos de Liverpool para o Golfo do México.

El Palenque. O ano em que foi tirada oscila entre 1881 e 1894. Alfred Maudslay também fez centenas de moldes de glifos e relevos. Ele enviou navios cheios de gesso, placas de vidro e barris com produtos químicos de Liverpool para o Golfo do México.Maudslay monta a cavalo, rumo à América Central durante os anos 1880. Ele foi um visionário e agora uma aliança entre o Google, o Museu Britânico e o Instituto Nacional de Antropologia e História, INAH, resgata seu legado.

Maudslay monta a cavalo, rumo à América Central durante os anos 1880. Ele foi um visionário e agora uma aliança entre o Google, o Museu Britânico e o Instituto Nacional de Antropologia e História, INAH, resgata seu legadoA página 12 do diário de Maudslay. O ano da fotografia data de 1886. O presidente do conselho de administração do Museu Britânico, Sir Richard Lambert, disse que dos "oito milhões de peças que compõem as coleções do centro, todos têm uma história por trás".

A página 12 do diário de Maudslay. O ano da fotografia data de 1886. O presidente do conselho de administração do Museu Britânico, Sir Richard Lambert, disse que dos “oito milhões de peças que compõem as coleções do centro, todos têm uma história por trás”.

A zona de Chichén Itzá, na península mexicana de Yucatán. Sem dúvida, as peças de Maudslay têm sua história, pois constituem uma das mais antigas memórias arqueológicas do México.

A zona de Chichén Itzá, na península mexicana de Yucatán. Sem dúvida, as peças de Maudslay têm sua história, pois constituem uma das mais antigas memórias arqueológicas do México.Fotografia de uma mulher. A Dra. Martha Cuevas, representante do INAH na aliança, disse terça-feira em uma entrevista em El Palenque que "é o primeiro registro profissional de muitos sítios arqueológicos. É a matéria-prima com a qual trabalhamos".

Fotografia de uma mulher. A Dra. Martha Cuevas, representante do INAH na aliança, disse terça-feira em uma entrevista em El Palenque que “é o primeiro registro profissional de muitos sítios arqueológicos. É a matéria-prima com a qual trabalhamos”.Vista de Chichén Itzá, a partir do sul de um edifício conhecido como 'Ak at Cib'.

Vista de Chichén Itzá, a partir do sul de um edifício conhecido como ‘Ak at Cib’A casa C no Palenque. Em suas andanças pela cidade, Maudslay fez um molde de gesso da escada hieroglífica da Casa C do Palácio, construída pelo governante Pakal no século VII.

10 A casa C no Palenque. Em suas andanças pela cidade, Maudslay fez um molde de gesso da escada hieroglífica da Casa C do Palácio, construída pelo governante Pakal no século VII.Um grupo de homens na entrada de um edifício, em uma fotografia sem data exata. Localizada no atual estado de Chiapas, Palenque era uma das cidades-estado mais importantes da civilização maia.

11 Um grupo de homens na entrada de um edifício, em uma fotografia sem data exata. Localizada no atual estado de Chiapas, Palenque era uma das cidades-estado mais importantes da civilização maia.Outra vista de Palenque. Abandonada séculos antes da chegada dos espanhóis ao México, foi redescoberta no final do século XVIII, durante a colônia. Anos de pilhagem e saques se seguiram.

12 Outra vista de Palenque. Abandonada séculos antes da chegada dos espanhóis ao México, foi redescoberta no final do século XVIII, durante a colônia. Anos de pilhagem e saques se seguiram.Um grupo de pessoas em um povoado indeterminado.

13 Um grupo de pessoas em um povoado indeterminado.

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.