Explosão apartamento Curitiba: depoimentos de proprietários e funcionário apresentam controvérsias

A explosão no apartamento em Curitiba, aconteceu no dia 29 de junho durante a impermeabilização de um estofado

 

O delegado Adriano Chohfi, da Delegacia de Explosivos Armas e Munições, interrogou quatro pessoas ligadas a explosão que aconteceu em um apartamento de Curitibano último dia 29 de junho. Foram ouvidos dois sócios-proprietários da empresa responsável pela impermeabilização do estofado, um funcionário e a esposa de uma das vítimas, que estava trabalhando no momento da explosão.

Nos depoimentos, os sócios apresentaram versões parecidas. Entretanto, o outro funcionário alegou falta de equipamentos de segurança. A esposa, do funcionário atingido, declarou que o marido reclamava dos riscos dos produtos químicos utilizados.

Explosão apartamento Curitiba: sócios acreditam em faísca

José Roberto Porto Correa, de 33 anos, e Bruna Formankuevisky Lima Porto Correa, de 25, se apresentaram como sócios-proprietários da IMPESEG – Higienização e Impermeabilização, empresa contratada para realizar aimpermeabilização do estofado na residência localizada no Água Verde.

De acordo com os depoimentos, ambos acreditam que a causa da explosão tenha sido provocada por alguma faísca e descartam a possibilidade de mau uso dos produtos químicos, alegando grande experiência do funcionário (Caio Santos, contratado em setembro de 2018).

José Roberto também destacou que a empresa atua desde 2015 e nunca havia sido registrado nenhuma ocorrência como esta. O homem declarou que informou os funcionários que os produtos eram inflamáveis e perigosos. Além disso passou a orientação para que os avisassem os clientes no momento da aplicação sobre o risco e que deixassem os cômodos. Também disse pedia para que os trabalhadores usassem máscaras e luvas ao manusear os produtos.

explosao curitiba apartamento
(FOTO: REPRODUÇÃO/ RICTV PR)

Explosão apartamento Curitiba: funcionário desmente proprietários

No depoimento de Heverton Gesse da Costa Skau, 24 anos, que era contratado da empresa há aproximadamente duas semanas, o homem revelou que a empresa não oferecia os equipamentos de segurança necessários.

O jovem chegou a declarar que em um dia, após exigir pelos equipamentos, escutou como resposta “que o foco era a expansão da empresa e que não era o momento para adquirir”. O funcionário ainda revelou que não orientava os clientes sobre os riscos durante a aplicação dos produtos.

Logo após o acidente, Heverton contou que foi chamado por José Roberto para comparecer a um endereço na capital paranaense. Ao chegar lá, o sócio-proprietário pediu para ver os produtos, para constatar se o motivo da explosão não teria sido em razão do material utilizado.

Explosão apartamento Curitiba: esposa declara que marido reclamava dos riscos

A esposa de Caio Henrique dos Santos, que está internado após a explosão no apartamento, contou que o marido reclamava dos riscos de trabalhar com produtos químicos.

No dia do acidente, Beatriz dos Santos Dias, de 21 anos, revelou que só ficou sabendo da explosão a tarde, quando Heverton foi até sua casa informar e pedir para ela comparecer ao hospital.

Vítimas da explosão em prédio de Curitiba

explosão do apartamento deixou quatro vítimas:

  • Mateus Lamb, de 11 anos, estava na casa da irmã e dormia em um quarto no momento da explosão. Com o impacto, ele foi arremessado pela janela do 6º andar, e caiu no térreo do prédio. A criança chegou a ser socorrida e encaminhada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital.
    explosao curitiba
    (FOTO: REPRODUÇÃO/ REDES SOCIAIS)
  • Raquel Lamb, de 23 anos, teve 55% do corpo queimado – ao contrário de 80% como havia sido divulgado anteriormente. No momento, Raquel permanece internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie em estado grave. Nesta segunda, a jovem passou por uma cirurgia de retirada de tecidos mortos e colocação de novos curativos;
  • Caio Santos, de 30 anos, era o técnico que trabalhava na impermeabilização na residência, e teve 65% do corpo queimado ao invés de 35%. Ele também passou por cirurgia de retirada de tecidos mortos e colocação de novos curativos nesta segunda e permanece internado em estado grave na UTI do mesmo hospital;
  • Gabriel Araújo, de 27 anos, marido de Raquel, teve 30% do corpo queimado, e é o único com estado de saúde considerado estável. Ele está internado em um quarto do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.